fbpx

ANO NOVO, VIDA NOVA????

Imagem: AlekZotoff / iStock 

Por Taiana Arrais Avelino

A cada final de ano, refletimos sobre o período que passou e começamos a projetar o futuro do ano seguinte. O ano de 2020, ficará na nossa memória como um ano atípico, carregado de muitas mudanças e adaptações. Pensamos e vivemos situações que comumente nem cogitaríamos em discutir. Vimos muitas pessoas queridas partirem precocemente na nossa visão limitada de humanos. Tivemos que nos reinventar…aprender a conviver…desacelerar!!! 

Fico pensando porque não conseguimos cumprir muitos de nossos projetos ao longo de tantas viradas de ano? Fato: o ano novo não muda a vida de ninguém. Estatísticas mostram que 95% das pessoas que fizeram uma promessa ou resolução de fim de ano desistem até o dia 15 de janeiro. Isso mesmo, apenas duas semanas depois do ano novo ele já se parece com o velho. Outra curiosidade: os Hebreus (povo semita na antiguidade) tinham uma palavra para a rotina de ficar dando voltas ao redor do sofrimento: mahala. Sinônimo de doença. Quem evita renovar-se adoece, pois somos, cada um de nós, promessa de evolução. E não foi essa a grande lição que deveríamos ter aprendido com todas as dificuldades deste ano marcante? Evoluir? Haja coragem!!!! 

Sabemos que a rotina, que é onde mora os desencantos, nos mantém existindo, mas não vivendo. Viver em plenitude definitivamente não é um estado, é um processo para entender que somos mais do que fazemos ou conseguimos. É o que carregamos dentro de nós, é apreciar nossa essência e compreender que somos algo muito maior. Na verdade, viver é fazer parte do movimento da vida, sentindo-se forte e capacitado para o que vir pela frente. Muitos dizem que essa percepção de evolução só é compreendida com a maturidade, mas isso não é absoluto. Para cada momento, atingimos o ápice do desenvolvimento pessoal, no seu próprio tempo, mais cedo ou mais tarde.

É libertador quando assumimos os riscos das mudanças e dos propósitos. Há uma data que antecede a virada do ano muito mais importante e transformadora para nós…o Natal. Jesus veio da simplicidade da humildade. “Uma alma que não se perde” (Cortela). Como uma festa que comemora o nascimento de quem veio nos falar sobre fraternidade, compaixão e amor ao próximo, trabalho, solidariedade e tolerância não nos faz pensar na vida em plenitude? É necessário abrir os olhos e entender que as coisas boas estão dentro de nós, onde os valores não precisam de razão e nem os sentimentos de motivos.

Vamos pensar com coerência sobre nossas promessas. Vamos traçar um caminho sempre possível de ser atingido e se for muito grande, pense na energia que terá que gastar para atingi-lo…e se valer muito, tente dividi-lo em partes e vá realizando devagarinho. Confira os resultados. Crie pequenos hábitos para que seu cérebro se conecte sempre com o bem.

Se pergunte quem você é e se surpreenda!

Seja a mudança que você tanto quer! Feliz ano novo!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *