fbpx

ANTES DE MORRER: ASSISTA!

ANIME

1000 CAPÍTULOS! GIGANTE APENAS EM NÚMEROS OU ONE PIECE É TUDO ISSO MESMO?

Foto: Divulgação/Internet


Coluna por Nathan Scano

As séries animas japonesas foram introduzidas e se popularizaram no mundo todo. No Brasil isso se deu graças a televisão aberta. Quem nunca almoçou assistindo as aventuras de Goku em Dragon Ball (1986–1989) e vendo os duelos de cards de Yu-Gi-Oh (1998-2003), ou então, passou as tardes acompanhando a “rinha de bichinhos” de Pokemon (1998-presente) e ocampo eterno de Supercampeões (1981-1988)? Aos que não tiveram nenhuma memória ativada após esses exemplos, só tenho a dizer: sinto muito. Aos que se recordaram com carinho dessas experiências eu digo: você ainda acompanha animes?

Quer acompanhe, quer passe na televisão aberta brasileira ou não, uma coisa é certa: tais animações ainda são e continuarão extremamente populares e repletas de fãs no mundo todo. Nesse contexto, um anime/mangá tem um destaque ainda maior que os demais ao redor do globo. Publicado desde 1997 na Shounen Jump Magazine, mesma empresa que publicou e publica grandes nomes como Dragon Ball(-presente), Bleach (2001-2016), Naruto (1999-2014), Boruto (2016-presente), Black Clover (2015-presente), Boku No hero (2014-presente), entre outros, One Piece (1997-presente) tem seu lugar garantido na lista de diversos Otakus.

Em 2020 a série que acompanha um pirata que ao comer uma fruta que concede poderes (Akuma no Mi) se torna um homem de borracha e sai em busca do tesouro que dá título à Obra, completou mil capítulos, um feito notável e impressionante, afinal quantas obras sejam mangás, livros, series, entre outros têm essa façanha? E mais, quantas obras, em 23 anos de existência, conseguem vender tanto e ser tão famosa como One Piece? Poucas, sem dúvidas. A questão principal é: One Piece é tudo isso ou são apenas números?

Tanto o anime, quanto o mangá “afastam” novos telespectadores justamente pela sua grandiosidade, quando se vê novecentos e poucos episódios, logo aquele que não a conhecem  tem certo receio de inicia-la, o que é muito triste, visto que esse tanto de capítulos tem um motivo: a complexidade da Obra. Não se trata de um tesouro, de piratas e de frutas de poderes, o anime/mangá é muito maior que isso. Tal obra de arte escrita por Echiro Oda apresenta sim esse plano de fundo, mas seu real objetivo e o que a torna tão importante é como aborda questões sociais, políticas e filosóficas.

One piece trata de dilemas como: sonhos, amizade e família, tal qual qualquer outro Shounen (anime de “lutinha”), todavia seu diferencial é que vai para além disso e o faz com uma identidade própria. Ao logo de seus tão longos arcos aborda sempre sobre sociedades e pessoas distintas, a obra têm tantos personagens que os enumerar precisaria de ao menos umas 100 páginas, o que não precisamos fazer, só precisamos apontar que antes da diversidade ser uma das pautas do nosso tempo One piece já o fazia. Uma pequena busca no Google imagens por personagens do anime/mangáe você encontrará todo tipo de sujeito: uma rena falante que comeu uma Akuma no mi, um ciborgue, um esqueleto que é musico, uma Dreg Queen que é trans e a rainha de uma ilha inteira de travestis e trans que lutam uma arte marcial própria chamada Okama kempo, um palhaço que separa partes do seu corpo, uma Mãe pirata gigante, diversos personagens gordos, negros, brancos, asiáticos, árabes.

Por ter tantos personagens, tantas ilhas, tantos povos, um mundo complexamente construído e apresentado aos telespectadores, Oda precisa do tanto de episódios que ele goza para cada conjunto de histórias que conta, para cada arco e saga. One Piece tem um ritmo próprio que condiz com o que o autor se propõe a tratar: temas sérios e que demandam de reflexão, uma vez que eles irão mexer com você. Você descobrirá, com esse anime, que aqueles que são os bandidos podem ter mais honra que o governo que deveria proteger as pessoas comuns, vai, também, perceber a história é contada por aqueles que exercem poder e que não importa quem vencer as disputas e guerras a justiça sempre prevalecerá, pois os vencedores que a definirão. No mesmo contexto o anime irá te fazer refletir sobre racismo, pobreza, fome, abuso, traumas, mentiras, confiança, fama, entre outros assuntos.

O design de personagens esquisito, e todo o universo bem “diferentão” também devem ser fatores que afastam aqueles que não tiveram o prazer de ver a obra, entretanto se é por isso que você nunca viu One Piece, sinto lhe informar, mas isso é outro elemento que torna a obra tão primorosa. Os traços de Echiro Oda são únicos e se encaixam com o tom da obra de maneira única, uma vez que é um anime/mangá como nenhum outros, tem uma identidade muito própria e marcante tanto no que tange a arte, quanto a história. 

One Piece é uma obra ilustre, tanto seu mangá, quanto seu anime merecem a atenção e o número de fãs que possuem. Se você nunca assistiu e está querendo começar, aproveite que a Netflix disponibilizou a primeira Saga (East Blue) dublada e legendada, e já está planejando fazer o mesmo com mais outra importante saga do anime (Alabasta) para 2021. Se você não está ainda interessado ou assistiu e desistiu, dê mais uma chance, tente ir aos poucos, pois realmente são muitos capítulos, contudo não deixe de apreciar essa peça rara, sua vida, a minha vida e a humanidade precisa de One Piece.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *