fbpx

Artistas nacionais para ficar de olho e ouvir

Marina Sena. Imagem: Divulgação/Fernando Thomaz

Por Luiz Filho

Todo ano temos uma enxurrada de promessas de nomes que serão o grande destaque no mundo da música. Porém no Brasil temos uma problemática quando falamos “os novos nomes da música”: o nosso país é muito grande!

O Brasil é uma nação muito grande, plural e rica culturalmente. Temos diversos gêneros musicais e ritmos, que são próprios. Isso acaba tornando difícil dizer quem são os novos nomes, pois além de que, diariamente surgem novos artistas, precisamos fazer um recorte do que é o “novo nome na música”. 

Por exemplo, Barões da Pisadinha, que atualmente é um grande nome no cenário nacional da música, já eram muito conhecidos na região nordeste. Um outro exemplo mais próximo, Anavitória, que eram tão conhecidas no Tocantins, depois estouraram para o país, ganhando Grammy Latino, filme, parcerias internacionais e muito mais, porém para nós, elas já não eram um “novo nome na música”. O que Barões da Pisadinha e Anavitória têm em comum? Eles já tinham nome no cenário da música, eles só não tinham a visibilidade. 

Isso também se repete em outras situações, como por exemplo, quando um cantor é muito famoso somente no seu meio de atuação musical, tipo ter reconhecimento somente entre os cantores sertanejo, mas ainda não é conhecido por todos os demais artistas. Ou de público específico, como quando determinado artista tem forte reconhecimento em um grupo, como entre os LGBTs. Esses artistas acabam sendo só reconhecidos, quando eles saem de suas bolhas, mas não é como se eles fossem “novos artistas” ou “revelações da música”, na maioria das vezes, eles já estão ali, até mesmo, mais tempo outros cantores famosos. 

Levando tudo isso em consideração, vamos então destacar alguns nomes do cenário musical nacional, para ficarmos de olho. Isso quer dizer que pode ter nomes, que você já conhece ou que já tenha grande destaque no seu meio, mas que agora ele pode estar atingindo proporções que saem de um nicho, e tomando projeções nacionais. 

Jup do Bairro é um dos nomes que realmente precisamos ficar de olho e ouvir suas músicas. Apesar de já ter tido indicações a prêmios nacionais, como WME Awards e Prêmio Multishow, a rapper ainda fica transitando entre o cenário mainstream e o underground. Porém independente disso, a artista está disposta a deixar sua marca, e tem feito trabalhos excepcionais. 

Um nome que está há anos aí na estrada, mas só agora tem recebido grandes olhares, é Majur. A cantora, tem um EP lançado ainda em 2018, mas foi sua parceria com Emicida e Pabllo Vittar em AmarElo, que a colocou de fato no cenário da música nacional. Recentemente, lançou seu primeiro álbum, Ojunifé, que conta com a participação de Liniker e Luedji Luna. Além dessas parcerias já citadas, Majur já performou com Caetano Veloso, Iza e Jhonny Hooker, entre tantos outros artistas. 

Esse caso é até curioso. Japinha Conde, é o nome artístico Lorraine Silva, que começou somente como vocalista da banda Conde do Forró, mas seu talento, carisma e, claro, o sucesso que conquistou com a música Romance Desapegado, colocou seu nome nas paradas, antes mesmo do nome da banda. E agora até mesmo as apresentações oficiais são como “Japinha Conde, Conde do Forró”. A artista, bem como a banda, já carregam inúmeras parcerias com artistas nacionais, e pode ter certeza, que quinzenalmente uma nova música creditada com seu nome é lançada. 

No quesito música alternativa, Alex Albino é um grande destaque. O artista que oscila entre músicas em português e inglês, tem obras maravilhosamente coesas e muito autênticas. Seu EP, Mercúrio, foi gravado em Nashville, e tem uma sonoridade dosada entre o visceral e o intimista. As composições das letras, bem como sua estética visual, são excêntricas e hipnotizantes. 

Elana Dara é um dos destaques da música nacional de R&B e pop. A cantora, que é curitibana, começou como diversos outros artistas, divulgando covers no YouTube, mas não demorou muito para chamar atenção e ser convidada para participar de projetos, como é o caso do Poesia Acústica, ao lado de Projota e Cynthia Luz, e Aperta o Play, com Xamã, PK e Papatinho. Seu maior hit é Ninguém dá certo cmg, que cresceu bastante por uma trend de vídeos nas redes sociais. 

Thiago Pantaleão obteve um grande desempenho nas plataformas de streaming com o lançamento do seu primeiro EP, Disk, ainda em 2020. Porém o cantor vem chamando bastante atenção de grandes artistas como Iza, Liniker e Gloria Groove. Seu mais recente trabalho, em parceria com Danny Bond, Te Deixo Crazy, já somam mais de 3 milhões de streaming no YouTube e Spotify.

Se fosse possível juntar Anitta, Iza e Pabllo Vittar em uma mesma pessoa, ela seria Ana K. A cantora está um pouco quietinha, no quesito músicas novas, mas ainda assim, seus últimos trabalhos já mostram tamanho talento. Seu último projeto, Deus É Mãe, é uma canção intimista e poderosa, com fortes elementos do R&B e Black Music. Já em Tudo Para Mim, a artista expõe todo seu vozeirão para todos ouvirem. 

Aos fãs de hip hop, BIN é o nome do artista carioca que vem saindo aos poucos do cenário underground e cada vez mais trilhando caminhos para o mainstream. Lançando músicas desde 2018, foi em 2020 que obteve seu grande sucesso, emplacando o hit Marília Mendonça. A canção é um trap, e foi divulgada após o artista se declarar fã da também cantora Marília Mendonça. Logo após o sucesso, ele lançou o álbum, Para Todas as Mulheres que Já Rimei, reunindo nomes consagrados do meio do hip hop e rap, como L7nnon, PL Quest, Pinneapple StormTv entre tantos outros. 

Depois de compor diversos hits para outros cantores, Tarcísio do Acordeon, finalmente se consagrou, e atualmente é dono das músicas de maior sucesso no país. Meia Noite (Você tem Meu WhatsApp) já conta com muito mais de 50 milhões views, só no YouTube. O cearense sanfoneiro, que já tinha certa notoriedade no nordeste, explodiu colocando no cenário nacional a mistura do forró tradicional de vaquejada com a batida de pisadinha, que ficou popularmente conhecida pela banda Barões da Pisadinha. 

Tarcísio do Acordeon. Imagem: Divulgação

Conhecida antes por integrar o grupo musical indie Rosa Neon, Marina Sena, está agora em carreira solo e recebendo todo o destaque que merece. A artista consegue misturar o pop nacional, com axé, samba, reggae e sons regionais. Natural Taiombeiras, Minas Gerais, a artista acabou de lançar seu primeiro álbum solo, De Primeira, e já somam mais de 5 milhões de reproduções no spotify. Marina segue os passos muito parecidos com de Duda Beat e já é um nome muito forte no cenário musical.

Na estrada desde 2018, Ana Olic promete ser um forte nome do R&B brasileiro. A artista beberica na fonte do sad song, um gênero muito em voga atualmente, que é a junção do emo rap e neo soul, algo que tem sido feito com frequência por Billie Eilish e Olivia Rodrigo. Porém Ana tem uma espontaneidade que te cativa de imediato, com letras vulneráveis, que tem conquistado diversos fãs na internet. Seus últimos trabalhos têm obtido destaques e aumentado sua popularidade em plataformas de streaming. 

Existem tantos outros nomes que merecem destaques, como é caso de Calil, Josyara, Monduba Crew, Thami, Vinife, Afroite, Maya, Pink Roof, Nilo, Hiran, Nick Cruz, Mariana Froes, Luthuly, Yan Cloud e Izrra, que estão cada vez mais conquistando espaço e ganhando reconhecimento nas plataformas de streaming.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *