fbpx

Justiça determina que Estado disponibilize 270 policiais militares para Colinas do Tocantins

Palácio Araguaia
Foto: Dynyme Hergbeth

Por Ivan Trindade


A Justiça determinou que o Governo do Tocantins envie, no prazo de 90 dias, 270 policiais militares para a 3ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) de Colinas do Tocantins. A medida responde a uma ação movida pelo Ministério Público do Tocantins (MPTO). Na decisão, o Judiciário também ordena que o Estado disponibilize pelo menos dois veículos altos e com tração 4×4, destinado ao patrulhamento de áreas rurais e vicinais.

O MPTO alegou que por falta de agentes policiais em Colinas, está precária asituação da segurança pública na cidade, uma vez que atualmente a companhia conta com menos da metade do efetivo necessário ao desempenho das atividades policiais, ou seja, 96 homens, quando seriam necessários 270. “O que se ouve diuturnamente pelas ruas é a reclamação da população que, quando aciona a Polícia Militar, tem que aguardar tempo além do razoável para ser atendida”, disse o órgão em nota.

Ainda conforme o Ministério, no total de 3.177 policiais do Estado, um quantitativo de 1.427, o que representa quase 50%, estão lotados na Capital, parte no Quartel do Comando-Geral e os demais nos 1º e 6° batalhões de Palmas. “Conclui-se que há concentração de pessoal na capital do Estado, em prejuízo do número de policiais militares necessários à manutenção da ordem pública nas cidades do interior, acarretando sobrecarga de trabalho para os militares lotados no interior e precária prestação da segurança pública”, afirmou na decisão o juiz de direito da 1ª Vara Civil de Colinas, José Roberto Ferreira Ribeiro.

O  juiz também determinou que o Estado se abstenha de reduzir o efetivo da CIPM, sob pena de aplicação de multa diária de R$ 10 mil, em caso de descumprimento da ordem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *