fbpx

No comando da casa: Janad Valcari conta seus planos para sua gestão como presidenta da Câmara Municipal de Palmas

Imagem: Assessoria Janad Valcari

Por João Pedro Gomes

A origem da palavra “vereador” é grega, e vem de “verea”, que significa “vereda”, “trilha”, “caminho”. Sendo assim, é um termo que possui o sentido de “orientar os caminhos”. Em português, o verbo “verear” é utilizado para definir o exercício das funções do cargo político, que busca ligar o governo e o povo. Elaborar leis municipais e fiscalizar a atuação do prefeito(a) (o Executivo) de maneira legal são as principais funções deste cargo. Os ocupantes deste encargo propõem, discutem e aprovam as leis a serem aplicadas na cidade. 

Nas últimas Eleições Municipais, ocorridas ano passado, os palmenses (assim como todos os brasileiros) foram às urnas — com diversos cuidados e seguindo protocolos recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) com o fim de evitar a proliferação do novo coronavírus (SARS-Cov-2) — para escolher os representantes municipais que estariam à frente da capital tocantinense. Os cargos de prefeito(a) e vereadores foram destinados à quem a população julgou competente para ocupar a função.

Eleita com mais de 2 mil votos, a professora, empresária, advogada, economista e agora vereadora, Janad Valcari (PODE) garantiu sua vaga na Câmara Municipal de Palmas até 2024. Ela foi a terceira candidata mais votada na capital tocantinense, se consolidando a mulher que mais recebeu votos nesta eleição. Entretanto, não parou por aí: ela se candidatou — e se elegeu — ao cargo de Presidente da Casa de leis no biênio 2021/2022. Valcari recebeu 12 (de 19) votos, enquanto o vice-presidente, Rubens Uchôa (Cidadania), obteve 10.

Já no primeiro mês de seu mandato, a presidente realizou cortes de gastos na Câmara: anunciou no dia 11 de janeiro, em uma coletiva de imprensa, a extinção de despesas com combustíveis e de contratos de locação de veículos. De acordo com a Casa, a economia será de dois milhões e duzentos e cinquenta e seis mil reais (R$ 2.256.000,00) com locação de veículos, e de mais um milhão e duzentos mil reais (R$ 1.200.000,00) com combustíveis, durante a gestão. Medidas como redução na contratação de cargos comissionados e o não pagamento da Cota de Despesa de Atividade Parlamentar (CODAP) referente ao mês de janeiro também foram tomadas. 

Para adiantar o que mais vem por aí no mandato da presidente, quais seus objetivos e seu perfil, a Revista PMW conversou exclusivamente com a mesma em seu gabinete. 

PMW: Como foi o processo de candidatura à presidência da Câmara? Qual é a sua maior motivação para exercer este cargo?

Janad: “Eu não me sentia representada, por isso entrei para a vida pública. Quando todos os 19 apareceram na lista, quem eram as pessoas (os candidatos eleitos ao cargo de vereador), eu percebi que ali haviam grupos de pessoas de bem. Percebi que haviam grupos ali que pregavam a minha mesma ideologia: a de uma política pública de verdade. A luta pela presidência não foi fácil, mas estive ao lado de homens maravilhosos que anseiam por uma cidade mais justa, uma cidade melhor. Aqui tivemos projeto: uma casa independente. Por isso fomos atrás da presidência. Coloquei meu nome à disposição, e em consenso, todos eles votaram e acreditaram em mim, e eu não vou decepcioná-los.”

PMW: Como é assumir um cargo tão importante?

Janad: “É uma responsabilidade imensa. Tenho que cuidar de 118 servidores e 19 vereadores, muitos com pensamentos conflitantes, mas estou preparada e tenho vontade, pois vim para trabalhar. Essa é uma experiência ímpar para mim, mas não tenho medo algum de desempenhar a função que faço hoje.”

PMW: Como você avalia a atual composição de vereadores da Câmara Municipal?

Janad: “Eu acredito que a maioria deles (os vereadores eleitos) busca cuidar do povo e trabalhar para o povo. Alguns ainda não tive a oportunidade de conhecer pessoalmente, mas pelo trabalho que já vem sendo desenvolvido, não tenho dúvida que vai ser a melhor gestão de todos os 19 vereadores.”

Na coletiva de imprensa, quando questionada por um jornalista sobre as diferenças entre a vida de empresária no meio privado e a de gestora pública, ela responde: “Como é a primeira vez que entro na vida pública, para mim, tudo foi muito surpresa, porque é bem diferente. No ramo privado eu posso ter o meu poder de comando, agilidade e minhas decisões, e na vida pública não é assim, tem diversos trâmites. Mas acredito que gerir com a ideia do privado é muito interessante, porque sabemos do que é pesado, do que está caro, das economias, procedimentos mais eficazes… então, mesmo dependendo de terceiros, temos uma outra visão, e acredito que isso, para a cadeira que estou ocupando hoje, é muito interessante, e eu me sinto preparada para cuidar desta casa.”

Além disso, houve um leve aumento da participação feminina na política para este mandato. Em um panorama geral, nas Eleições Municipais do ano passado, foram eleitas 229 vereadoras (26 a mais que na última votação) , 32 vice-prefeitas (em 2016, o número foi de 26) e 20 prefeitas, que foi o único cargo que teve menos representantes do gênero feminino que a eleição passada, com 24. Como a segunda mulher na história de Palmas a presidir a Casa de Leis, ela foi questionada se as mulheres estão em busca de igualdade, e responde: “Acredito que a cada dia que passa, percebemos que as mulheres querem entrar na vida pública. Não é que desejamos nos comparar aos homens, mas queremos juntos construir com um outro olhar, o feminino. E temos condições de fazer uma política pública de verdade, com um olhar crítico feminino, de mãe, de mulher.”

PMW: Quais ações você deseja realizar dentro da casa? Pelo que deseja ser lembrada ao fim de seu mandato? 

Janad: “Quero ser lembrada como uma mulher guerreira, corajosa, de pulso forte, mas que esteve em prol de cuidar do povo e de todos os servidores, inclusive os parlamentares.”

PMW: Quais são suas considerações finais? Deseja passar algum recado para os nossos leitores?

Janad: “Tudo o que vocês anseiam aí fora, eu, como cidadã, tenho conhecimento. Venho de família humilde. Sei o que é ganhar uma casa popular. Sei a dificuldade de pegar um ônibus, de não ter dinheiro para pagar uma passagem. Sei o que é faltar coisas dentro de casa. Sei como é precisar de uma roupa para vestir e não ter. Quero ser um espelho para muitos deles. Que um dia eles possam almejar sentar nesta cadeira e fazer a diferença. Só tenho a dizer que darei orgulho à nossa cidade.”

Janad Marques de Freitas Valcari é uma professora, advogada e empresária de 36 anos que mora em Palmas desde 1992. Antes de ser proprietária de uma empresa no ramo da educação, trabalhou como corretora de imóveis. A presidente do  Sindicato das Escolas e Faculdades Particulares do Estado do Tocantins é casada, mãe e criadora do projeto de assistência social “Plantando e Colhendo o Bem”, existente desde o ano de 2007. 

Revisão por Ivan Trindade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *