fbpx

POPULAÇÃO RECLAMA: “NUNCA PAGUEI TÃO CARO POR CONTA DE ENERGIA ANTES!”

Divulgação

Por Ivan Trindade
Maria Espíndola, professora aposentada, passou recentemente por um difícil período ao encontrar um aumento tão exorbitante no valor cobrado pela conta de energia. “Nunca paguei tão caro por conta de energia antes!”, diz ela ao comentar ainda que a época em seu ponto de vista, não parece ser a melhor para um valor tão alto ser imposto para a população. “No supermercado tudo anda cada vez mais difícil de adquirir, a energia dessa forma só dificulta mais isso”, relata.
Também reclamou do fato Vinicius Bento, técnico de informática. “Honestamente não sei como organizar as contas em casa mais. Você faz um planejamento, e do nada é pego de surpreso com aumentos tão grandes assim em contas que deveriam ser básicas para todo brasileiro”, reclamou.
Os casos, no entanto, não são apenas algo isolado, e ao que consta, têm acontecido por todo o Brasil nas últimas semanas. Isso acontece agora porque, para responder à uma crise hídrica, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) criou uma nova bandeira tarifária, chamada bandeira tarifária ‘escassez hídrica’.
De acordo com a Aneel, o novo valor da taxa passou a ser de R$ 14,20 pelo consumo de 100 kWh, segundo anúncio no último dia 31 de agosto. A nova medida está vigente desde o dia 1º de setembro, e seguirá até 30 de abril de 2022. Até agora, o valor máximo cobrado, no caso o da bandeira vermelha, era de R$ 9,492.
Em coletiva de imprensa, o diretor-geral da Aneel, André Pepitone, anunciou que a ação foi aprovada tendo em vista o déficit de arrecadação já existente, superior a R$ 5 bilhões, e os altos custos verificados, destacadamente de geração termelétrica. “O país vive a pior crise hídrica em 90 anos, e todos precisam estar preparados para lidar com isso”, afirmou.
Segundo o Ministério de Minas e Energia, a nova taxa provocará aumento de 6,78% na tarifa média dos consumidores regulados, como os residenciais.

André Pepitone da Nóbrega, diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANELL)


Entenda
Mesmo antes da criação da nova bandeira, as antigas atuavam como um valor à parte da tarifa total de energia, acrescentadas ao valor da conta, dependendo das condições de geração de energia no setor elétrico. O objetivo das bandeiras tarifárias é remunerar o uso de usinas termelétricas, que têm custo mais alto. As termelétricas estão sendo utilizadas por causa da seca, que diminuiu o reservatório de hidrelétricas e prejudicou a geração de energia.
*Bandeira Verde: quando o cenário é favorável para a situação hídrica, não há acréscimo;
*Bandeira Amarela: indica cenário menos favorável;
*Bandeira Vermelha: (patamar 1 e 2) apontam para condições custosas de geração de energia;
Exemplo:
*Conta de luz em agosto para 100 kWh consumidos: R$ 60 (tarifa média de energia) + R$ 9,49 (bandeira vermelha patamar 2) = R$ 69,49
*Conta de luz a partir de 1º de setembro para 100 kWh consumidos: R$ 60 (tarifa média de energia) + R$ 14,20 (bandeira de escassez hídrica) = R$ 74,20
*Diferença no total da conta entre agosto e setembro = R$ 4,71, ou 6,78%
Temos noção que o real ideal não é sugerir à população medidas de economia de energia, uma vez que com gestão, a situação poderia ter sido contornada. No entanto, reunimos a seguir algumas dicas que podem te ajudar a pagar um valor mais baixo na conta de energia no fim do mês. Confira:

  1. Posicione a geladeira em um local ventilado – a geladeira corresponde a cerca de 30% da energia gasta em uma residência tradicional. Dessa forma, uma maneira de contribuir para a economia de energia é colocando o aparelho em um local ventilado da sua casa. Então, não deixe esse aparelho em locais muito fechados;
  2. Evite deixar a porta da geladeira aberta – não deixe a porta aberta por muito tempo e não coloque alimentos muito quentes em seu interior;
  3. Mantenha a geladeira limpa – lembre-se de não forrar as grades, já que isso dificulta a circulação de ar. Caso se ausente da residência por muito tempo, é recomendado esvaziar a geladeira e deixá-la desligada;
  4. Diminua a frequência de banhos quentes – O aquecimento de água corresponde a cerca de 20% da energia elétrica consumida. Mas, lembre-se que essa porcentagem varia dependendo da temperatura local;
  5. Racionalize o uso do chuveiro – O chuveiro elétrico consume mais energia entre às 18h e 21h, ou seja, horários em que a maioria das pessoas chega do trabalho;
  6. Corte o hábito de dormir com a TV ligada – utilize a função de timer para que o aparelho desligue automaticamente após um tempo. Dessa forma, você verá muito em breve os resultados da economia de energia na sua conta;
  7. Controle o uso do ferro elétrico – Cerca de 7% dos gastos de energia elétrica correspondem ao uso de ferro elétrico. Acumule uma boa quantidade de roupas para passar tudo de uma vez e utilize a graduação correta para cada tipo de peça para conseguir a economia de energia;
  8. Tenha atenção ao utilizar a máquina de lavar – Evite utilizar a máquina de lavar para uma pequena quantidade de roupas, dando preferência para ligá-la apenas nos níveis máximos de uso. É importante também dosar o sabão para evitar necessidade de reenxague;
  9. Saiba usar as lâmpadas da sua casa – cerca de 20% dos gastos em uma conta de energia são por causa de lâmpadas;
  10. Mantenha o ar-condicionado bem higienizado – Se ele não estiver, o temporizador do ar-condicionado será acionado mais vezes para manter a temperatura, o que pode trazer mais gastos para sua vida;
  11. Preste atenção no stand-by para economizar energia – Mesmo aparentemente desligados, alguns aparelhos domésticos continuam consumindo energia, já que eles ficam no modo stand-by. Então, itens como carregadores de celular e notebook, micro-ondas e aparelhos de DVD ligados na tomada podem representar até 12% do gasto de energia;
  12. Compre lâmpadas de LED para economizar energia – As lâmpadas LED são bem mais econômicas que incandescentes e fluorescentes, ainda que custem mais caro;
  13. Cheque a borracha de vedação da geladeira – ma geladeira bem vedada é sinônimo de economia para o seu bolso, justamente porque se a vedação da porta não estiver adequada, ela pode gastar mais energia elétrica;
  14. Opte por eletrodomésticos mais eficientes – Comprar um produto mais barato, mas menos potente, pode ser um daqueles casos em que o barato sai caro;
  15. Faça um uso mais eficiente do ar-condicionado – Dimensione adequadamente o aparelho para o tamanho do ambiente, mantenha janelas e portas fechadas quando o aparelho estiver funcionando e evite instalar o aparelho em áreas que fiquem expostas de maneira contínua ao sol;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *