fbpx

Prazo para declarar vacinação contra febre aftosa no Tocantins termina no próximo dia 10

Foto: Ascom Adapec

Por Ivan Trindade


Os produtores rurais do Tocantins que vacinaram seu gado contra febre aftosa, têm agora somente até o próximo dia 10 para efetivarem a declaração. De acordo com a Adapec, Agência de Defesa Agropecuária, nesta segunda etapa, que ocorreu entre os dias 1º de novembro e 31 de dezembro de 2021, cerca de 4,5 milhões de bovinos e búfalos em idade de zero a 24 meses devem ter sido vacinados.

A comunicação da vacinação é obrigatória e deve ser realizada até 10 dias após a compra da vacina. Caso o produtor não tenha animais em idade vacinal indicada na campanha, é necessário ir até a Agência fazer a declaração dos animais adultos e/ou de outras espécies para atualização cadastral.

Após o encerramento do prazo de declaração da vacinação, a instituição faz um levantamento no sistema informatizado e detecta os faltosos. “Em seguida nossos técnicos dirigem-se a propriedade rural, notifica o produtor sobre a multa e outras sanções e agendar a vacinação dos animais, que poderá ser acompanhada ou assistida”, explica o responsável pelo Programa Estadual de Vigilância em Febre Aftosa da Adapec, João Eduardo Pires.

A multa para quem não vacinar é de R$ 5,32 por animal não vacinado e mais R$ 127,69 por propriedade não declarada, além disso, o produtor fica impedido de fazer a movimentação do rebanho até a regularização da vacina.

Em razão à pandemia, uma operação especial foi desenvolvida para que os técnicos e demais integrantes que vão atuar possa realizar todas as atividades evitando os possíveis riscos.

A Febre Aftosa é uma virose contagiosa altamente transmissível, aguda e febril e atinge animais de cascos fendidos como: bovinos, bubalinos, ovinos, caprinos e suínos. É causada por um vírus da família Picornaviridae, que tem sete sorotipos diferentes. 

Panorama no Estado

O Tocantins está livre da febre aftosa desde maio de 1997, mas a doença já causou milhares de prejuízos à economia mundial. O principal efeito da febre aftosa é comercial. A doença afeta enormemente o comércio interno e externo de animais e seus produtos. Devido ao alto poder de difusão do vírus e aos impactos econômicos provocados pela doença, os países estabelecem fortes barreiras à entrada de animais susceptíveis e seus produtos, oriundos de regiões com ocorrência da febre aftosa. Tais barreiras têm efeitos negativos sobre a pecuária com graves consequências socioeconômicas. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *